Prefira apostar com bitcoins

Mais abaixo está todo o texto que escrevi sobre o assunto “por que você deve apostar com bitcoins”, mas antes três ótimas casas de apostas que aceitam bictoin como moeda de depósito e saque.

.PINNACLE SPORTS
A Pinnacle simplesmente oferece as melhores odds em geral. Eles aceitam várias formas de depósitos e isso incluí bitcoin.
ABRIR CONTA NA PINNACLE

.BODOG
Na Bodog seu bônus é de 100% até R$200. Podemos dizer que a Bodog é uma das pioneiras no mundo a aceita bitcoins para depósitos e saques.
ABRIR CONTA NA BODOG

.SPORTSBET
A Sportsbet é hoje a casa de aposta que mais investe no mercado nacional. Essa empresa foi construída em cima das apostas via bitcoin.
ABRIR CONTA NA SPORTSBET

Essas também são três ótimas casas de apostas.

Em 2008 um sujeito chamado Satoshi Nakamoto de identidade até hoje desconhecida, publica um artigo escrito “Bitcoin: dinheiro de pessoa para pessoa”. Naquela época, quase todo comércio na internet era feito através de instituições financeiras, que servia como uma espécie de plataforma confiável para mediar os pagamentos.

Isso funciona por causa da confiança que nós temos dessas instituições, e também de praticamente todo o comércio do mundo – moderno e isso inclui a internet – é feito desta maneira até hoje.

Acredito que você leitor tenha realizado ao menos uma compra virtual, assinado a Netflix ou até depositado dinheiro em uma casa de apostas com um cartão de crédito. Seu cartão passa por verificação de uma instituição financeira, que provavelmente é seu banco.

E não é à toa que as coisas funcionam assim. Imagina que trabalheira seria a nossa vida se todas as vezes que nós fossemos comprar alguma coisa na internet, tivéssemos que combinar com o vendedor uma forma de pagamento diferente?!?!?!

Embora este sistema financeiro seja funcional para a maioria das pessoas, ainda possui alguns problemas. Primeiro é o custo da transação, que é muito caro em comparação ao custo de um produto ou serviço.

Sendo simplista, uma compra que você faz com o seu cartão envolve uma instituição financeira, os funcionários do banco e os funcionários da loja. Todas essas pessoas precisam de um salário e você paga isso com taxas, juros e impostos.

Então por exemplo os R$ 25 que você pagaria por um produto ou serviço, agora viraram R$30.

Eis que entra a Bitcoin

As bitcoins conseguem resolver os problemas de gastos extras empregando um sistema financeiro de pessoas-para-pessoas. Sempre que você quiser comprar um produto ou um serviço, pode enviar o dinheiro para a pessoa via bitcoin.

Dessa maneira você elimina a necessidade de funcionários, bancos e todo o custo.

Há um pequeno custo na transação da bictoin, mas ela é tão pequena que algo que custa R$25 sairia por R$25,01.

E o segundo problema do nosso sistema financeiro atual baseado em confiança, é que a maior parte dos pagamentos são reversíveis.

No bitcoin não há necessidade de confiar em pessoas ou instituições para fazer transações, porque tudo é gerenciado por um algoritmo descentralizado. Ou seja, nenhuma pessoa ou em um grupo de pessoas controla isso.

Esse algoritmo também é de código aberto e isso é muito importante, pois significa que qualquer um de nós pode ver, entender, estudar e aplicar.

As bitcoins tentam resolver os problemas de pagamentos não reversíveis. Ou seja, uma vez que você envia o dinheiro, não tem mais volta. Isso protege vendedores de fraudes, porque um comprador não pode mais pegar o dinheiro de volta, e, com alguns ajustes de sistemas, como um agente de custódia que fica com dinheiro até ambas as partes darem um ‘OK’, o consumidor também está em segurança caso o vendedor não entregue o combinado.

Isso é muito bom, sim, mas como essas moedas virtuais podem ter valor na vida real?

Até 2010 essas moedas não tinham valor na vida real. As pessoas já tinham bitcoins, mas elas nunca haviam sido trocadas por coisa na vida real. Então não era possível estabelecer o valor correspondente das bitcoins na vida real.

Mas de um tempo para cá as coisas mudaram bastante, e, desde o BOOM das criptomoedas, elas tiveram cada vez mais e mais notícias. Em 2017 uma bitcoin chegou a valer 74.000 reais no Brasil.

Há quem diga que algum dia a bictoin será a moeda mais usada e valiosa do mundo, enquanto investidores mais conservadores dizem que elas não são seguras e é perigoso investir.

Mas não faltam exemplos históricos de pessoas que tentaram prever o futuro e falharam miseravelmente. Uma inovação ou tecnologia feita HOJE, pode mudar drasticamente tudo que nós tomávamos como “garantido” e com isso todas as previsões do futuro vão por água abaixo.

Bitcoins serão a moeda do futuro? É difícil afirmar com certeza, talvez elas sejam ou talvez sejam uma precursora de um sistema financeiro ainda melhor. De qualquer maneira, bitcoins ainda merecem todo o crédito por ter mostrado a aplicação de uma tecnologia que vai mudar a maneira como fazemos várias coisas no futuro.

As blockchains (carteiras de criptomoedas)

A tecnologia de blockchain muda totalmente o nosso atual sistema financeiro com base em confiança, porque ao invés de termos um agente intermediário para as transações financeiras, como os bancos, que nos dão segurança sobre as nossas transações, o blockchain permite que façamos tudo sem uma autoridade central.

As implicações disso são insanas e abrem pretexto para uma nova era na internet – e provavelmente da sociedade.

Pessoas que estão excluídas do nosso sistema financeiro atual poderiam fazer parte deles pela blockchain, porque não possuiriam todas as barreiras criar uma conta em um banco.

Para entender melhor como uma blockchain funciona, veja o exemplo das bitcoins, que não são uma moeda descentralizada. Ou seja, as informações de transações não são processadas nem ficam armazenadas em grandes bancos ou instituições financeiras. Ao invés disso elas ficam armazenadas em uma vasta rede de computadores privados ao redor do mundo, que estão armazenando esses dados e computando novas transações a todo momento.

De uma maneira simplificada, todas as ações no mundo das bitcoins são computados em uma sequência de blocos, daí o nome BlockChain, que em português ficaria em algo como “corrente de blocos”.

Vamos supor que eu queria fazer um pagamento de R$10 pela internet e nem todo mundo tem cartão de crédito. Ao invés de imprimir o boleto, que demoraria no mínimo um dia útil para ser aprovado após a compra, com bictoin eu informaria (pela transferência) a transação a rede de computadores que realizei o pagamento e que o balanço da minha conta vai diminuir R$10 e que a da pessoa que vai receber o dinheiro vai aumentar R$10. A informação dessa transação é então agrupada e um bloco com todas as outras transações de bitcoins dos últimos minutos, e esse bloco é enviado para todos os computadores da rede, sem exceção, verificarem a validade dele então aprovar esses blocos.

E se eu mentisse dizendo que tinha R$10, só que eu não tivesse? É aqui que entra a parte da corrente de blocos. Uma vez que transações são aprovadas pelos computadores da rede, elas são imutáveis. Todas as últimas transações dos últimos minutos são agrupadas em um bloco e esse bloco são computados como um todo, e todo novo bloco de transação referência o último bloco, criando uma espécie de corrente entre eles.

Todas as transações de bitcoins no mundo estão salvas para sempre nessa blockchain.

Para fraudar uma blockchain é necessário ter controle sobre 50% de todos os computadores que realizam transações e minerações de bitcoins e isso é impossível. É por causa dessa característica que as bictoins são seguras.

O estado destrói nossa moeda

Inflação é algo que todos nós já ouvimos falar, certo? O “criar dinheiro do nada” é um método de destruir nossa moeda, o método preferível dos governos de arrecadar mais dinheiro (antes de tributação) uma vez que o processo por meio do qual a classe política desvia recursos da sociedade através da inflação é bem menos direto e óbvio do que no da tributação e da tomada de empréstimos.

Você deve ter notado que o real hoje vale menos do que ontem. Hoje o preço do arroz está mais caro do que anos atrás, o mesmo é com o nosso pão, feijão, carne, legumes, frutas….me lembro que quando criança, R$100 enchia um carrinho de mercado e hoje em dia não dá para mais nada.

Depois de mais de 25 anos do Plano Real, a nota de R$ 100, que em julho de 1994 pagava o valor de um salário mínimo e ainda sobrava troco, vale agora R$16,75. Em julho de 1994 o salário mínimo era de R$ 64,79 e hoje são necessárias dez notas para pagar o mínimo de R$ 1.045 – agosto 2020.

Isso significa que para adquirir a mesma quantidade de mercadorias e serviços que R$ 100 compravam em 1994, o consumidor precisa desembolsar mais de seis vezes.

A moeda real no longo prazo perderá ainda mais seu valor. Mas com bitcoin simplesmente não há essa inflação, uma vez que a quantidade de moedas sempre será a mesma. Há uma limitação máxima de 20 milhões de moedas para sempre.

No futuro, com a bitcoin sendo mais raro e mais difícil de conseguir, o que vai acontecer é a moeda valer mais, indo totalmente contra a moeda estatal e valendo cada vez mais.

Portanto, desde já, prefira apostar com bitcoin e guarde seu dinheiro de apostas em uma blockchain. Sempre que quiser fazer compras, venda as bitcoins para uma corretora.

Conclusão

As bitcoins estão mudando nosso mundo para melhor. Um dos maiores problemas da nossa economia mundial atual é que ela não é inclusiva, pois pessoas são deliberadamente deixadas de fora. A ideia de descentralizar a economia removendo meio de campo e permitindo que pessoas façam transações diretamente de pessoa para pessoa, pode se mostrar como um grandioso passo rumo a uma economia exclusiva.

E as coisas não param por aí. Blockchain, a tecnologia que permite a existência das bitcoins, se mostra cada dia mais útil com novas aplicações da nossa sociedade.

O dinheiro ganho por você nas casas de apostas é algo que você não precisa declarar para a receita se estiver usando bitcoins.

Portanto, apostar com bitcoins é algo que faço e que recomendo para você, leitor