Home / Artigos / Teoria Punter

Teoria Punter 5/5 (2)

(Última atualização: 1 de novembro de 2017)

Alguns tipsters talvez desconheçam essa teoria, até mesmo, pois trabalham com investidores, sindicatos, e não tem um limite na banca, ou ao menos nada específico. Ou seja, a pressão do seu próprio investimento indo pro ralo não está em cena, não tão forte quando a banca é sua.

Na via punter, você não tem a obrigação de acertar uma aposta. E a badrun não é algo negativo. Na verdade é usada para estabelecer até mesmo níveis de agressividade nas suas apostas. Ah, mas ouvi tipsters dizendo que não se aumenta a stake investida quando se está perdendo, isso é errado e tals, mas já percebeu que esse tipster usa stakes fracionadas e aumenta suas unidades conforme encontra valor mais sólido nelas? Talvez esse mesmo tipster possa dizer algo negativo sobre “martingale”, mas sem perceber ele aplica a mesma ideia na sua gestão profissional, fracionando a unidade e aumentando. Já ouviram o termo, small, mid e big, pois é, na prática isso lembra muito o martingale, não gosto de usar esse nome, mas a ideia é bem semelhante, porém na teoria são coisas diferentes, pois o martingale é impraticável em qualquer lugar e qualquer mercado, matematicamente falando.

Mas ai vemos nisso uma incoerência ao dizer que aumentar sua unidade quando está perdendo é errado e usar um sistema onde se aumenta o valor a colocar em uma linha de acordo com seu preço.
Quando usamos uma banca própria, e temos um limite de ativos, unidades, stakes, chamem do que quiser, sabemos que temos que ter os dois pés no chão e aplicar estratégias sólidas de investimento.

Com quase 8 anos no mercado como investidor onde coloco o meu na reta, comprovo algumas coisas.

Cada aposta pode ser considerada um ALL IN. Ou seja, cada aposta que você faz, reflete todas as outras apostas que você fará. Se ela não tem valor, possivelmente você não terá lucro longo prazo, pois essa ação de apostar em uma aposta sem um valor comprovado irá se repetir, pois você repete seu comportamento várias vezes. Mas por qual motivo o conceito do all in?

Não ganhamos dinheiro no curto prazo nas apostas, isso não é uma corrida de 100 metros e sim uma maratona como diria o meu amigo Rodrigo. Ganhamos dinheiro ao rodar a banca inteira em apostas de valor. Ou seja, com uma banca de 100K, precisamos rodar esses 100K em apostas de valor para no final ter uma porcentagem de lucro sobre esses investimentos. Por isso alguns fatores são tão importantes, como winrate, média de odds por exemplo. No final pegar várias odds baixas afetaria sua média de odds final e isso abateria o seu ROI (retorno sobre o investimento), pois de fato em toda a aposta pode acontecer de um tudo, mesmo aquelas que você considera a barbada do dia, você pode perder e vai perder, a moral por trás disso tudo é simplesmente que não importa se você ganha ou perde uma aposta, se ela tinha um preço equivocado em relação a realidade, no longo prazo você vai extrair lucro de ações assim, ou seja, isso tudo passa por uma tomada de decisão, que é fundamental nesse mercado.

Logo você não pode sair da estratégia e pegar uma apostinha ali em uma mercado menos EV e com uma odd supeita, pois fazendo isso uma única vez, irá repetir novamente esse comportamento. Existe a questão a ser sempre dita a si mesmo; você daria all in nessa aposta? Mas essa questão ela não pode ser feita para quem não tem uma noção ainda da questão do valor, pois muitos dão all in de verdade, em odds sem valor, acreditando no retorno fácil.

Existem paralelos que temos que levar como regras nesse mercado. Como por exemplo; cada investimento deve ter o retorno em valor muito próximo ao investido, para mais, sempre. Digamos que menos de 20% a menos de retorno sobre o que você investiu já não é interessante para a sua banca. Isso equivale a no máximo uma odd de @1.80, e já deve ser conhecido de vocês essa média aproximada.

Sabe qual é outro segredo dentro desse mercado? É que você com 100 Mil de banca, com um ROI de 10%,sobre os seus 100 mil daria 10 mil de lucro, mas você pode transformar esses 100 mil de banca em mais de 1 milhão, simplesmente rodando dinheiro, no mesmo processo que comentamos aqui. Ou seja, rodar dinheiro em apostas de valor. Rodar por várias e várias vezes sua banca. Tarefa nada fácil, nada, mas que pode ser possível dependendo da sua gestão de banca, sendo mais agressiva é claro.

Bancas mais altas fazem justamente o contrário, largamos um pouco da agressividade e focamos na qualidade. Mas não é que se deixa de ser agressivo, apenas vamos tomar posturas agressivas nas horas certas. E como isso funciona?

Lembra do que disse do paralelo do uso do aumento de stake e como a badrun era positiva? Pois é, podemos usar esse paralelo, traçado sobre um desvio padrão e criar uma linha que quando alcançada, se torna a hora de aumentar uma stake de aposta. Como isso acontece? Algumas pessoas já tem essa noção na mente, mas não sabe nomear e nem como usar ainda, mas pratica disso sempre. Exemplo, retas finais de campeonatos. Pra muitos a parte mais lucrativa das competições. É mais EV aumentar sua stake durante esse período.

Outra questão, sobre a badrun. Sabemos que as nossas apostas são eventos independentes. Ou seja, como no cara ou coroa, cada aposta não tem uma relação com a outra, assim como cada vez que se joga a moeda para cima, a chance de dar cara é a mesma. Assim como cada aposta que você faz, a chance de perder é a mesma. Partindo desse princípio, todo apostador mais inteligente, vai buscar apostas em confrontos mais equilibrados, ou equilibrar os confrontos com o uso do handicap asiático, justamente para ter algo mais próximo do 50/50, buscando valor acima dos 50% nessas apostas é claro. Conceito chato pra burro de matemática neh, mas calma, vai entender.

Nesse parâmetro as apostas no máximo vão te dar um retorno mínimo onde você vai trocar dinheiro com a casa de aposta e não perderá grana, isso pelo fato de ser 50/50 e você buscar algo de valor. Longo prazo você pode ficar empatado por um tempo, mas quando ajustar as linhas e seu estudo, nenhuma casa mais te segura, é normal o período de trocação de dinheiro quando se está perto de achar o fio da meada. Nesse mesmo parâmetro, cada aposta é um evento independente entre si, porém não se trata da aposta feita e sim de quem as faz. Pois temos critérios traçados para uma tomada de decisão, e esses critérios, chamem eles de “método” pode ter sua eficácia medida com ROI, Winrate, Média de odds, e também a quantidade de tempo, dinheiro, apostas, unidades que você desvia dessa linha do lucro, feita pelo desvio padrão. Entendeu alguma coisa? Pois bem, nisso você prova para todos, e aqui digo que eu provo, que toda a aposta se torna um evento dependente da escolha do apostador. A base dos dados é o apostador e não a aposta. Isso é uma revolução no sistema de apostas esportivas, pois podemos medir exatamente quando se pode aumentar a sua stake conforme seus reds. Você vai ter períodos mais lucrativos, e isso depende de você, do apostador e suas escolhas. Logo não se trata das escolhas e sim de quem escolhe.

Isso derruba muita coisa já conhecida dentro do universo da teoria da probabilidade, inclusive brinca com a teoria dos eventos independentes e dependentes.

Espero que tenha servido para alguém refletir.

Por Josué Ramos

O que achou do texto?

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*